A MAÇONARIA E O DIREITO

Assim como a Igreja tem o seu Direito Canônico, os Esportes têm o seu Direito Esportivo, etc., a Maçonaria, também, possui seu Direito Maçônico.
Tal como o Direito profano, o Direito Maçônico é um complexo orgânico, cujo conteúdo é constituído pela soma de preceitos, regras e leis, com as respectivas sanções, que regem as relações do homem maçom, dentro da Sociedade Maçônica.
Ainda, como o Direito profano, o Direito Maçônico pode ser escrito ou consuetudinário. O primeiro é aquele que, originado do Poder Legislativo Maçônico, se encontra consignado nos textos, legalmente promulgados. O segundo, originado do Latim, diz respeito aos usos e costumes que, na Maçonaria, como no mundo profano, não necessariamente carecem da escrita, uma vez que a expressão “usos e costumes” faz parte da cultura de um povo, no nosso caso, do Povo Maçônico.
A Maçonaria e o Direito andam de mãos dadas. Não se nega naquela o que está contido naquele. Se aquela prega a existência de um princípio criador, sob a denominação de G.´. A.´. D.´. U.´., aquele se funda  em muitas das suas regras, tanto quando regula a conduta dos indivíduos na sociedade, quanto a disciplina, em verdadeiros princípios que nos foram legados por Jesus Cristo. Se não houvesse iluminação do G.´. A.´. D.´. U.´., as nossas leis por certo seriam bizarras, desproporcionais e arrogantes. Tudo o que os nossos juristas e jurisconsultos fazem para enriquecer o Direito, fornecendo subsídios aos nossos legisladores, advém de permissão intelectual do Criador do Universo.
Portanto, tanto aquela quanto aquele, pregam unissonamente o mesmo princípio criador. Aquela não traça limites à livre investigação da verdade. Aquele obedece o mesmo cromossomo. Se a verdade é o ponto básico do Direito, não se sobrepõe a ele limites nem restrições em busca da verdade. Se assim não fosse, tanto aquela quanto aquele seriam instrumentos de disfarces, de ilusões, de subterfúgios, transformando-se em verdadeiro engodo.
A verdade é pedra basilar do Direito, assim como é princípio fundamental da Maçonaria. Aquela é acessível aos homens de todas as classes e de todas as crenças religiosas e políticas. Aquele não faz nenhuma restrição a quem invoca na sua pretensão material. Quando a Constituição Federal nos diz que todos somos iguais perante a Lei, a Carta Magna nos espelha que ao ter acesso natural à justiça, a acessibilidade não impõe restrições a crenças religiosas, nem políticas, não distingue o pobre e o rico, nem o branco do preto.
Se o acesso àquela é livre, naquele também o é. Nela desbasta-se a Pedra Bruta, nele desbasta-se uma bruta pedra.
Portanto, em ambos os princípios, nivelam-se. Aquela proíbe em suas Oficinas, toda e qualquer discussão sobre matéria política ou religiosa. O faz com a sua autoridade disciplinar. Aquele não discrepa dessa disciplina pois impõe aos litigantes que se atenham às matérias discutidas, não permitindo que situações estranhas façam parte da discussão.
Denota-se que tanto aquela quanto aquele, exercem o poder disciplinador, necessário para a coesão, para a estabilidade das instituições.
Aquela recebe Profano quaisquer que sejam as suas opiniões políticas e religiosas, ainda que pobres, mas livres e de Bons Costumes. Aquele não impõe restrições a quem lhe bate às portas. Se o remédio jurídico é a busca do Direito, há que ser analisada a sua pretensão e dado ao seu pedido o caminho que a lei determina.
Aquela combate a ignorância, é escola, prega a honra, a justiça, o amor ao próximo, a felicidade humana e a emancipação progressiva e pacífica. Aquele impõe, através do Estado, o combate ao analfabetismo, à ignorância. É escola desde os princípios da existência humana, funcionando como fonte de enriquecimento e aperfeiçoamento de todas as gerações. Impõe o respeito à honra e a protege.
Tem na justiça o esteio de aplicação, não fugindo ao princípio do amor ao próximo e a felicidade coletiva que são privilégios do Estado na aplicação do Direito.
Prega em seus códigos uma emancipação pacífica e progressiva, exercendo poder de coação legítima sobre os cidadãos.
Por fim vê-se que tudo o que é princípio fundamental naquela encontra amparo naquele.
A Maçonaria consagra entre seus princípios basilares, constituindo-se mesmo, em seus fins supremos os postulados universais da instituição, de todos nós conhecidos, baseados na LIBERDADE, IGUALDADE e FRATERNIDADE, que, antes de se constituírem num simples lema da Revolução Francesa, são, na verdade, preceitos maçônicos universal.
Nossa Constituição - a do Grande Oriente do Brasil, de 1.996 - invoca, Ab Initio, estes postulados e, em seu Art. 1º afirma que a Maçonaria é uma instituição essencialmente iniciática, filosófica, filantrópica, progressista e revolucionista. Proclama a prevalência do espírito sobre a matéria. Pugna pelo aperfeiçoamento moral, intelectual e social da humanidade, por meio do cumprimento inflexível do dever, da prática desinteressada da beneficência e da investigação constante da verdade.
Em seu Art. 32 a Ordem Maçônica impõe, através da Carta Magna, aos Maçons, o cumprimento de seus deveres oriundos do solene juramento a que todos, de livre e espontânea vontade, fizemos.
As Constituições Maçônicas devem ser consideradas sob dois aspectos:
1. Filosoficamente, quando se referem aos princípios que constituem a base da doutrina adotada pela Maçonaria, influindo obrigatoriamente nas ações e conduta dos Maçons.
2. Administrativamente, quando se referem ao Governo de Potências Maçônicas, constituindo-se em leis, fundamentais dos Maçons jurisdicionados.
Quanto ao primeiro aspecto, as principais constituições observadas pela Maçonaria, são: os Regulamentos, compilados em 1.720 por George Payne, e as constituições de Anderson, compiladas em 1.723, que regem a Maçonaria Simbólica.
Quanto ao segundo aspecto, todos os Maçons jurisdicionados ao Grande Oriente do Brasil, estão sujeitos à Constituição em vigor, promulgada em 1.996.
Trabalho realizado por Marcos Antônio Gomes (marcos@shoppingdoescritorio.com.br), Ir.´. Homero, em 11.02.2000 e pesquisado na Revista a Trolha Set/98, Constituição do Grande Oriente do Brasil, Dicionário de Maçonaria, autor Ir.´. Joaquim Gervásio de Figueiredo e Aprendiz de Maçonaria, autor Ir.´. Joacy da Silva Palhano

Início da página


Loja Maçônica Luz e Saber - Rua da Pecuária, Qd15 Lt13 - Bairro Sta. Genoveva - 74670-030 Goiânia-Goiás * © Copyright 2010 - Todos os direitos reservados *

levitra kopen cialis kopen viagra pillen levitra prijs kamagra kopen lovegra bestellen viagra pil cialis prijs kamagra pil viagra vrouwen cialis goedkoop cialis kopen viagra bestellen

parajumpers jakke herre louis vuitton solbriller nike free 5.0 nike sko parajumpers jakke nike huarache dame parajumpers tilbud canada goose jakke nike sb janoski ghd glattejern nike roshe run nike roshe run flyknit ghd fladjern jordan sko moncler jakke herre belstaff jacket nike air max 95 nike huarache